A cara do desemprego

publicado el 17/08/2018 a las 18:49 , por Fabio Ramalho (UGT) .

43165010534_3843e731e7_o

A União Geral dos Trabalhadores (UGT), numa parceria com os sindicatos dos Comerciários e dos Padeiros de São Paulo, a prefeitura do município e com o setor empresarial promoveu, entre os meses de julho e agosto, dois mutirões de emprego, reunindo mais de 6 mil vagas, o que mobilizou 16 mil candidatos.

“Infelizmente as estatísticas mostram o quanto está alto o desemprego no Brasil, por isso resolvemos reunir as vagas e disponibilizar o espaço físico para que o setor de recursos humanos das empresas pudesse realizar as seleções, o que foi muito bom no ponto de vista de ser um facilitador para as pessoas que estão em busca de emprego, por outro lado, abriu uma caixa de pandora e jogou na cara dos governantes a gravidade da situação, antes a gente só via as estatísticas, agora vimos os desempregados em filas quilométricas”, disse Ricardo Patah, presidente nacional da UGT.
No primeiro mutirão, foram 13 empresas participantes, que ofereceram 1800 vagas. Essa ação reuniu 10 mil pessoas no vale do Anhangabaú. Nesta segunda edição, foram 26 empresas e 4 mil vagas de emprego, o que mobilizou mais 6 mil candidatos.

Segundo Ricardo Patah, esta ação promovida pela UGT é pioneira e precisa ser levada para outras regiões do país. “Nossa proposta não é a de recolher currículos e encaminhar para as empresas, nós queremos que as empresas estejam presentes para que elas façam suas seleções, avaliando o perfil dos candidatos conforme as suas necessidades”.

“Desta maneira estamos diminuindo a distância entre os candidatos e as empresas, facilitando a busca por uma oportunidade, contribuindo para a redução dessa vergonhosa fila chamada desemprego, melhorando a qualidade de vida das pessoas e a distribuição de renda. Além de tudo isso, estamos promovendo uma reestruturação do sindicalismo, com metas voltadas para a busca do emprego, qualificação profissional e sindicalização em massa”, conclui Patah.
 

SITEMAP